Pequenas empresas combinam, sim, com mídias sociais.

Escassa verba de marketing, recursos humanos limitados e concorrência acirrada são alguns dos fatores que tiram o sono de um pequeno empresário. Eis que, em meio a esse turbilhão de assuntos para resolver, alguém diz a ele (mesmo que seja aquela voz interior): não é hora de investir em mídias sociais? Mais gastos, mais trabalho e mais dor de cabeça, pensa o empreendedor que, no fundo, sabe que a resposta certa para essa pergunta é positiva. Sim, está na hora, mas como?

Na abertura de um novo negócio, o planejamento é fundamental, e não é diferente em um projeto de mídias sociais, ainda mais nas companhias menores. As grandes corporações contam com um arsenal a seu favor: um departamento de comunicação e, muitas vezes, uma agência especializada coordenam as ações. Nas pequenas empresas, a história é outra, muitas vezes o profissional responsável pelo projeto em mídias sociais acumulará funções, isso quando o próprio dono não coloca a mão na massa.

Mas pedras no caminho fazem parte da vida de um pequeno empresário desde o início de sua jornada. Planejamento e dedicação são palavras-chave nesse desafio para as empresas menores. O primeiro passo é avaliar a atual presença da marca na internet: website, pensar na possibilidade de um blog corporativo – ferramenta que facilita muito a publicação de conteúdos e interação com leitores, pesquisar a posição em sites de buscas. Ou seja, o básico tem de estar funcionando muito bem.

O próximo passo é definir objetivos, as possibilidades são inúmeras: aumentar tráfego do website corporativo, utilizar canais para ouvir e atender consumidores, divulgar produtos e serviços nas mídias sociais, ouvir opinião dos públicos, descobrir nichos de mercado. Uma vez definidos os objetivos, é preciso saber em que pé a empresa está em cada um deles, ou seja, conhecer a situação atual para assim medir os resultados.

Antes de se aventurar, o empreendedor deve dedicar um tempo a estudar. Afinal, é preciso saber onde os públicos estão neste mar de informações que é a web. Será que os consumidores estão no Orkut? E se lá estão, é a melhor plataforma para interagir? Não existem respostas prontas, não há formula mágica e nenhum manual responderá essas perguntas. É preciso pesquisar para encontrar indícios e, a partir deles, desenhar um plano de ação. Acompanhar sites e blogs que abordem o tema também ajuda.

E como reagir a uma crítica feroz? Mesmo que infundada, ela estará lá para quem quiser ver. Preparar-se para questionamentos é primordial. Não estar presente oficialmente nas mídias sociais não impedirá que falem sobre a empresa. Em casos de exposição negativa, há uma vantagem para as marcas que já estão nesse ambiente, provavelmente, serão mais ágeis ao responder. Ah, não se pode deixar de agradecer os elogios, claro!

Tudo pronto? Quase. É hora de definir o conteúdo. Afinal, estar em rede também é compartilhar informações. E para fazer sucesso, é preciso que elas sejam de qualidade e diferenciadas. Esse costuma ser um ponto crucial, pois exige pesquisa, dedicação e tempo. Incentivar a produção de conteúdo entre os funcionários e convidar parceiros a participar são iniciativas que podem ajudar. Mas não há muito truque nesse quesito, alguém precisa ser responsável por este conteúdo: produzir, organizar, postar. Se possível, contar com a ajuda de um profissional de comunicação é o ideal.

A essa altura, o pequeno empresário que parou para ler este artigo deve estar pensando: mas eu não tenho tempo nem para respirar! Vamos com calma, essa primeira etapa é mesmo trabalhosa, mas, uma vez o plano em ação, muitas ferramentas on-line ajudam a gerenciar os perfis nas redes sociais, acompanhar as interações e mensurar resultados. Para dar conta dos perfis, soluções como Sobbes, Tweet Deck e HootSuite ajudam bastante. Já para encurtar links e monitorá-los, Migre.me e Bit.ly são boas opções.

O melhor termômetro em mídias sociais é a audiência, nada melhor do que perguntar diretamente aos contatos o que eles querem, quais ações mais agradam e o que fazer para melhorar. E, como em todo projeto, o retorno sobre o investimento é crucial. Para isso, é preciso mensurar os resultados e indicadores desde o início do projeto, sempre à luz dos objetivos definidos no planejamento. E não cair na armadilha dos números, eles são importantes, mas de nada valem milhares de contatos sem relacionamentos de qualidade.

Experimente e não tenha medo de errar, aventure-se!

Camila Zanqueta em http://www.nosdacomunicacao.com/panorama_interna.asp?panorama=228&tipo=G